Emoções & Sentimentos


Arquivo de artigos

18/07/2018 23:38

Largo da Banana

Dionísio BarbosaInício do século 20, Largo da Banana, Barra Funda, berço do samba de São Paulo. Nessa época um grupo de homens, que não tinham trabalho formal, formado em sua grande maioria por negros,  faziam bicos carregando e descarregando caixas de cereais e frutas inclusive bananas (por isso o nome Largo da Banana), que chegavam a Estação Barra Funda trazidos pelos trens da extinta Estrada de Ferro Sorocabana.  

Enquanto aguardavam clientes eles batiam papo, além de jogar cartas, dadinho ou tiririca  (jogo semelhante à capoeira, que consistia numa brincadeira de rasteiras  onde dois jogadores sambando no meio de uma roda de batuque tentavam derrubar um ao outro com golpes de perna, a famosa pernada).

Quem passa pela região não imagina que ali  onde hoje abriga o Viaduto do Pacaembu, inaugurado em 1959,  que foi inclusive cantado na música de Geraldo Filme, rodas de samba reuniram importantes compositores dentre os quais podemos destacar,  Tio Mário, da Vila Carolina, e Pato N’Água.

“Vou sambar noutro lugar”. A letra diz: “Surgiu um viaduto, é progresso/ eu não posso protestar/ Adeus, berço do samba/ eu vou-me embora/ vou sambar noutro lugar”.

Ali também foi a origem do cordão Camisa Verde e Branco, que virou escola de samba, com uma história de glórias, lindos sambas e nomes importantes como o da família de Inocêncio Mulata, Dona Sinhá, Tobias, e compositores como Talismã e Ideval, o mestre-sala Delegado, entre muitos outros. Como outras agremiações, hoje passa por dificuldades, mas promete voltar a brilhar na história do samba paulista. Torcemos por isto.

 

—————

11/07/2018 23:49

Estranhou o que?

”Estranhou o que? Preto pode ter o mesmo que você...”.

Pensando um pouco sobre a música composta por Moacir Luz, "Estranhou o que". Ainda tem muita gente estranhando e, o que é pior, desacreditando do potencial da população afrodescendente, no sentido exigir e consumir produtos específicos.

"Preto pega surf, pega praia, preto pega jacaré

Preto vê vitrine, olha o magazine, compra se quiser.

Preto põe sapato, usa pé de pato, pq tem os pés

come sashimi, bebe champangne e também tem rolex"

 

A música lança um importante questionamento inclusive para empresários que fingem não enxergar esses consumidores, não sei se por incompetência, preconceito ou egoísmo. A verdade é que, deixam de aproveitar, como deveriam esse nixo.

"Estranhou o que? 

Preto pode ter o mesmo que você

Estranhou o que?

Preto pode ter o mesmo que você"

No Brasil mais de 50% da população é formada por negros e pardos. São consumidores de longa data, no país e com o aumento, do poder de compra registrado na última década a “nova classe média” é predominantemente negra, parte desta população, hoje frequenta espaços sociais que anteriormente eram inacessíveis para eles, são shoppings, restaurantes, hotéis, academias, realizam turismo nacional e internacional.

"Preto joga charme, come carne, preto roda de Chofer
Anda de avião, craque de Gamão, troca de talher
Preto lê exame, férias em Miami, premio molière 
pede uma suíte, roupa de boutique, preto da role"

Isso tem que ficar claro, inclusive para os anunciantes, desta forma os eventos realizados e direcionados à população afrodescendentes terão patrocínio  e o apoio necessário.

Segundo pesquisas, realisadas em 2017 estima-se que, só na capital paulista, os afro-brasileiros assalariados movimentam mais de R$ 3,2 bilhões ao ano. 

 

—————

19/04/2018 05:01

BEYONCÉ DOARÁ US$100 MIL EM BOLSAS DE UNIVERSIDADES PARA NEGROS

Show de cantora no festival Coachella serviu como homenagem à cultura negra dos Estados Unidos.Capitalizando sua elogiada apresentação de duas horas no festival de música Coachella, Beyoncé anunciou nesta segunda-feira (16/04) que está oferecendo US$ 100 mil em bolsas destinadas a estudantes de quatro faculdades e universidades dos Estados Unidos historicamente associadas aos negros.

 

 

—————

—————